O que é o Espirítimo

Para começar falar do Espiritismo, vamos até a França no século XIX, onde manifestações dos Espíritos começaram a ser observadas por Allan Kardec, pseudônimo do conhecido pedagogo e educador Hippolyte Leon Denizard Rivail.


Ao tomar conhecimento do fenômeno das mesas girantes, entendido como fenômeno extraordinário que ocorria em reuniões despretensiosas, ele passou a frequentar essas reuniões para entender e conhecer melhor esse costume da época e isso foi preponderante para o estudo do espiritismo. Na época, acontecimentos como a movimentação de objetos, ruídos incomuns ou ainda pancadas sem explicação aparente, que eram tratadas como diversão em diferentes locais, em reuniões da sociedade parisiense, passaram a ser motivo de estudo sistemático e aprofundado desse pedagogo, que na época estudava o magnetismo e trabalhava como magnetizador.

Ele entendeu que por trás de tais fenômenos existia uma “vontade”, uma intenção e um propósito. Passou então a formular várias perguntas e foi obtendo respostas. O que era então tratado como divertimento passou a ter um caráter de estudo sério e aprofundado por parte deste educador que veio a ser o codificador da Doutrina Espírita com o lançamento do Livro dos Espíritos em 1857.

E o que é o Espiritismo?

No livro “O que é o Espiritismo”, Allan Kardec responde a essa questão formulada no título como sendo “O Espiritismo é ao mesmo tempo uma ciência de observação e uma doutrina filosófica. Como ciência prática, ele consiste nas relações que se podem estabelecer com os Espíritos; como filosofia, ele compreende todas as consequências morais que decorrem dessas relações. O Espiritismo é uma ciência que trata da natureza, da origem e da destinação dos Espíritos, e das suas relações com o mundo corporal.”

A Doutrina Espírita já nasce com um tríplice aspecto: Filosófico, Científico e Religioso, na qual, abre-nos uma visão ampla e racional da vida, permitindo-nos iniciar e/ou continuar nossa transformação íntima, através do conhecimento e do autoconhecimento, respondendo questões como: De onde vim? O que faço no mundo? Para onde vou? Qual o sentido da vida?

No aspecto Científico, rompe o limiar da matéria com o mundo espiritual, estudando à luz da razão e dentro de critérios científicos os fenômenos mediúnicos.

No aspecto Religioso, tem por objetivo a transformação moral do homem, revivendo os ensinamentos de Jesus Cristo, na sua verdadeira expressão de simplicidade, pureza, perdão, bondade, caridade e amor.

Emmanuel, no livro O Consolador, psicografado por Francisco Cândido Xavier, nos diz:

No seu aspecto científico e filosófico, a doutrina será sempre um campo nobre de investigações humanas, como outros movimentos coletivos, de natureza intelectual, que visam o aperfeiçoamento da Humanidade. No aspecto religioso, todavia, repousa a sua grandeza divina, por constituir a restauração do Evangelho de Jesus Cristo, estabelecendo a renovação definitiva do homem, para a grandeza do seu imenso futuro espiritual.

Desta forma, podemos dizer que o espírita é aquela pessoa que que leva sua vida procurando seguir os ensinamentos genuínos de Jesus e tem como base alguns princípios básicos:

A existência de Deus – Deus o criador e mantenedor do universo. Inteligência suprema e causa primária de todas as coisas. Eterno, imutável, imaterial, onipotente, soberanamente justo e bom. Deus é amor. Inteligência infinita, sentido dentro de cada um de nós.

A imortalidade da alma - O Espírito é o princípio inteligente do universo; imortal e indestrutível; criado por Deus para evoluir. Já existíamos como espírito antes do nosso nascimento nessa vida presente e continuaremos a existir após a morte do corpo físico.

A reencarnação - Criado simples e ignorante, o Espírito é quem faz seu próprio caminho de evolução. Como é imortal, retorna ao mundo físico quantas vezes forem necessárias para evoluir e ganhar sabedoria experimentando diversas situações. Dotado de livre-arbítrio, tem a liberdade de traçar seu próprio caminho, aprendendo escolher entre o bem e o mal, com a
possibilidade de se desenvolver e evoluir, aperfeiçoar-se e tornar-se cada vez melhor. Daí a ideia das múltiplas experiências de vida, que envolve aprendizado para aquisição de conhecimento e progresso moral.

Evolução do espírito – Somos todos criados simples e ignorantes e temos como destino a perfeição moral. Jamais regredimos no nosso processo de ascensão e aprendizado. O caminho é sempre de evolução. Esse objetivo é alcançado pelo próprio mérito e esforço de cada um. Somos livres para traçar nossas escolhas para o desenvolvimento intelectual e aprimoramento moral.

Comunicabilidade entre espíritos – O Espiritismo entende como natural a comunicação entre os espíritos mundo espiritual e do mundo material. Os Espíritos do mundo espiritual são as almas daqueles que viveram na Terra (ou em outros mundos), despojados de seu corpo material, mas que conservam sua essência e que se comunicam conosco através da mediunidade dos encarnados.

A pluralidade dos mundos habitados - Os diferentes mundos constituem as inúmeras moradas dos espíritos. As condições desses mundos diferem quanto ao grau de adiantamento ou de inferioridade dos seus habitantes, mas todo o universo é habitado.

Reforma Íntima – É o nome dado ao processo de compreensão de nossa imperfeição moral e necessidade de evolução e crescimento. Somos seres em evolução e o espírita toma para si a responsabilidade de crescimento e transformação. Somos responsáveis por nossas escolhas e caminhos.

Lei de causa e Efeito – As Leis Divinas, que regem o universo, são justas e imutáveis, mas graças ao livre-arbítrio somos livres para agir como desejamos. A partir dessas escolhas e por justiça das leis do universo, iremos cada um de nós experimentar inexoravelmente os efeitos de nossas ações, pois toda ação leva a uma reação (assim como todo efeito possui uma causa).

Experimentar alegrias ou sofrimentos será sempre uma forma amorosa de nos ajustarmos no nosso caminho de crescimento moral para entrar cada vez mais em comunhão com o Criador no nosso processo de evolução.

Estudo – No nosso processo evolutivo devemos sair da nossa condição instintiva para alcançar a intuitiva, através do nosso desenvolvimento intelectual e moral. Como somos criados simples e ignorantes o caminho da evolução passa pelo estudo e aprendizado como preponderantes para o esclarecimento e entendimento das leis que regem o universo e cada um de nós. À medida que nos esclarecemos temos mais condições de entender quem somos, de onde viemos e para onde vamos.

Caridade – A prática do bem aparece na doutrina espírita como a condição mais importante e essencial para a nossa evolução espiritual. Entende-se aqui a prática do bem do ponto de vista material, mas acima de tudo do ponto de vista moral; do perdão. É necessário que nos vejamos como seres espirituais e iguais perante o Criador. Ser caridoso é perdoar nosso semelhante entendendo que cada um possui seu grau de evolução; viver com a certeza de que todos devemos ser respeitados, pois somos todos iguais diante da criação.

Desta forma, podemos dizer que o Espiritismo procura manter-se o mais próximo possível da pureza vivida e nos mostrada por Jesus enquanto esteve materialmente entre nós. É nosso modelo e guia do espírito mais evoluído que viveu entre nós no planeta Terra.

O Espiritismo não tem dogmas, rituais, paramentos, práticas supersticiosas ou utilização de qualquer adereço. Não possui templos, figuras de adoração e nem locais especiais para a prática da fé ou da oração. Não faz tão pouco cobrança de dízimo.

Baseia-se no seguimento das obras básicas escritas por Allan Kardec, fornecendo esclarecimento para todos os acontecimentos da vida.

Nos mostra através do estudo e da observação que somos todos Seres Espirituais ou Espíritos passando por experiências reencarnatórias, com a sobrevivência da alma. Admitindo a sobrevivência da alma, admite a sobrevivência das afeições e inteligência, que segue seu caminho de instrução e progresso através dos tempos